10 de mai. de 2021

Leituras GPS - 11/05

Queridas e queridos,

Seguimos em confinamento e convidamos vocês para a nossa segunda reunião do grupo de Leituras GPS de 2021, que ocorrerá na próxima terça-feira11/05, às 14h30.

Discutiremos o último capítulo da obra "Caminhos de semiótica literária", de Denis Bertrand, intitulado "A semiótica e a literatura". A apresentação do texto e a mediação do debate ficará por conta da mestranda Laura Miranda Zimiani (FCLAr-Unesp).

Nosso encontro será online, então é só se acomodar e se juntar a nós! 

O link da reunião: meet.google.com/zkp-bcpp-tgb

Até lá!

Referência: 
BERTRAND, D. A semiótica e a leitura. In: Caminhos da Semiótica Literária. São Carlos: EDUSC, 2003.

20 de abr. de 2021

Conferência SSU - 27/04




No próximo dia 27/04, terça-feira, às 14h30, teremos a conferência "Semiótica da violência: hegemonia da branquitude e desumanização na cobertura policial", que será proferida pelo prof. Dr. Matheus Nogueira Schwartzmann (Unesp)*, no Seminário de Semiótica da Unesp (SSU). A transmissão será via YouTube e os certificados serão atribuídos via inscrição no formulário de presença, que será disponibilizado no chat durante o evento.


Semiótica da violência: hegemonia da branquitude e desumanização na cobertura policial

A vida – cotidiana, afetiva, psíquica, material e simbólica – das brasileiras e dos brasileiros é inteiramente atravessada pelo racismo. Esse atravessamento se reproduz de modo contínuo por práticas sociais diversas, estabilizadas nos sistemas educacional e legislativo, no cânone literário, na indústria cultural e nos meios de comunicação de massa, por exemplo, que, de modo coordenado, emolduram formas de vida e modos de existência da branquitude. Esse emolduramento produz um corte profundo na cultura, pois a prevalência de valores hegemônicos da branquitude – determinados pelo que podemos chamar de arquiformas de vida – cria um simulacro de real que exclui do campo do humano o grupo de pessoas racializadas. Nesta reflexão, partindo dessas constatações imediatas, buscaremos compreender as formas de vida da violência em alguns veículos de imprensa, que redundam, de um lado, na banalização e na naturalização da violência policial, em um processo de desumanização de pessoas racializadas, e, de outro lado, em procedimentos de sensibilização e benevolência, ligados à arquiforma de vida da branquitude.


*Nota biobibliográfica: Matheus Nogueira Schwartzmann é docente do Departamento de Estudos Linguísticos, Literários e da Educação, da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Assis, e do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa, da Unesp de Araraquara, do qual é atualmente Vice-coordenador. Atua na área de semiótica discursiva. Tradutor de diversos artigos, é autor de trabalhos sobre discurso, práticas semióticas e formas de vida, como “O retrato da chacina: estratégias de humanização no Caderno Cotidiano” (2019), “A noção de texto e os níveis de pertinência da análise semiótica” (2018), “Reflexões para uma semiótica das culturas: o caso da identidade trans” (2017) e “A noção de gênero em Semiótica” (2012), estes últimos com Jean Cristtus Portela. Organizou obras como Leitura: a circulação de discursos na contemporaneidade (2013) e Semiótica: identidade e diálogos (2012), e foi Editor da Revista do GEL (2016-2020). Foi Coordenador do GT de Semiótica da ANPOLL no biênio 2018-2020, é Secretário da Associação Brasileira de Semiótica – ABES e líder do Grupo de Pesquisa em Semiótica da Unesp (GPS-Unesp)


6 de abr. de 2021

Leituras GPS - 13/04

Queridas e queridos,

Seguimos em confinamento e convidamos vocês para a nossa primeira reunião do grupo de Leituras GPS de 2021, que ocorrerá na próxima terça-feira13/04, às 14h30.

Discutiremos o texto: "Estrutura e História" presente no livro "Sobre o sentido: ensaios semióticos", de A. J. Greimas, que contará com a apresentação do pesquisador Thiago Moreira Correa.  

Nosso encontro será online, então é só se acomodar e se juntar a nós! 

O link da reunião: meet.google.com/zkp-bcpp-tgb

Até lá!

Referência: 
GREIMAS, A. J. Estrutura e História. In: GREIMAS, A. J. Sobre o sentido: ensaios semióticos; tradução de Ana Cristina Cruz Cesar [e outros] revisão técnica de Milton José Pinto. Petrópolis, Vozes, p. 97-108, 1975.

18 de mar. de 2021

Conferência com a profa. Dra. Luiza Helena Oliveira da Silva (UFT) - 23/03

 



No próximo dia 23/03, terça-feira, às 14h30, teremos a conferência "Narrativa de uma busca interminável: Lacunas no sujeito e na história em romances de Milton Hatoum", com a profa. Dra. Luiza Helena Oliveira da Silva (Universidade Federal do Tocantins), em ocasião do Seminário de Semiótica da Unesp (SSU). A transmissão será ao vivo via YouTube e as inscrições serão feitas aqui


Narrativa de uma busca interminável: Lacunas no sujeito e na história em romances de Milton Hatoum

Dra. Luiza Helena Oliveira da Silva (UFT)*

Este trabalho analisa os romances A noite de espera (2017) e Pontos de fuga (2019), que compõem a trilogia O lugar mais sombrio, de Milton Hatoum. De natureza ficcional, tematizam o passado recente do país, imerso por anos (1964-1985) em uma ditadura. Seus personagens, transitando entre Brasília, São Paulo e Paris, são também protagonistas de movimentos de resistência política no contexto urbano e sofrem as consequências da prisão, tortura e morte aplicados aos considerados pelos militares como subversivos. Como elo entre tantas histórias que se cruzam, numa mistura de vozes que constroem uma narrativa cada vez mais polifônica, há o silêncio sobre o destino da mãe de Martim. Estratégia narrativa para postergar o desenlace e/ou projeto do autor para acentuar os vazios sobre o vivido nos anos de chumbo, é o silêncio e sua abertura para os sentidos possíveis que constroem Martim como sujeito da espera e de busca de uma verdade que demora a revelar-se. Na análise, mobilizamos estudos da literatura que tematizam a memória da ditadura e da semiótica discursiva, considerando categorias da sociossemiótica e da semiótica tensiva.


*Luiza Helena Oliveira da Silva é mestre e doutora em Letras pela Universidade Federal Fluminense e realizou estágio pós-doutoral em sociossemiótica no Centre de Recherches Politiques (CEVIPOF-CNRS) com bolsa CAPES entre 2013 e 2014. 

Docente na Universidade Federal do Tocantins (UFT), câmpus de Araguaína, atua nos cursos de Licenciatura em Letras, Mestrado Profissional em Letras em Rede Nacional (ProfLetras) e Programa de Pós Graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura (PPGL). Além disso, atuou como docente permanente do Programa de Pós-graduação Cultura e Território (PPGCult) até 2020.

Desde 2015, é coordenadora do ProfLetras/UFT. Em 2016, assumiu como editora-chefe da Revista EntreLetras (PPGL/UFT).

Membro do GT de Semiótica da ANPOLL, a pesquisadora ocupa-se, em suas pesquisas, da semiótica discursiva aplicada ao ensino de língua e literatura, da memória e da formação de professores, da semiótica do espaço, bem como da semiótica e literatura do testemunho. Ela também é membro do grupo de pesquisa SEDI (Semiótica e Discurso), da UFF, coordena o GESTO (Grupo de Estudos do Sentido ? Tocantins), na UFT e, no biênio 2017-2019, foi membro da diretoria do GELLNORTE (Grupo de Estudos Linguísticos e Literários do Norte).






1 de mar. de 2021

Sugestão de leitura: "Gêneros orais na escola" de Lúcia Teixeira

A indicação de leitura deste mês é o texto "Gêneros orais na escola" de Lúcia Teixeira. Nele, a semioticista trata de questões caras à educação, principalmente, no que diz respeito à noção de gêneros no ensino fundamental pautada na perspectiva bakhtiniana e nas contribuições da semiótica discursiva. A autora nos mostra,também, um exemplo da aplicação do conceito em sala de aula que abre possibilidades para o desenvolvimento de trabalhos que articulam atividades de expressão oral, leitura de textos e gramática.

1 de fev. de 2021

Sugestão de leitura: Relações entre expressão e conteúdo na poesia concreta

A sugestão de leitura para este mês é o artigo "Relações entre expressão e conteúdo na poesia concreta", da Juliana Di Fiori Pondian.

Revisitar as bases da teoria semiótica e sua intrínseca e permanente relação entre o conteúdo e a expressão, é essa a proposta do texto. 

Acesso pelo link: Relações entre expressão e conteúdo na poesia concreta.

1 de jan. de 2021

Sugestão de leitura: Veridicção e paixão na práxis enunciativa

A indicação de leitura para o mês de janeiro de 2021 é o texto “Veridicção e paixão na práxis enunciativa” de Arnaldo Cortina. Nele, o autor busca mostrar como os procedimentos discursivos da veridicção e da paixão constituem a práxis enunciativa, analisando tanto um texto verbal – o conto “O cônego ou a metafísica do estilo” de Machado de Assis – quanto um texto sincrético – um  anúncio publicitário da cerveja Nova Schin. Apesar de esses textos apresentarem objetivos diferentes, seus recursos veridictórios e passionais são semelhantes. 

O texto apresenta a dinamicidade das correlações entre os diferentes patamares do percurso gerativo de sentido, colocando a enunciação como determinante das instâncias sêmio-narrativas e, ao mesmo tempo, por elas determinada.

Link de acesso: "Veridicção e paixão na práxis enunciativa" .